Pesquisar conteúdo deste blog

sexta-feira, 22 de junho de 2018

Galaxy in a Crystal Ball | Galaxia numa bola de cristal


Uma pequena bola de cristal parece conter uma galaxia inteira nesta foto criativa. A galáxia, claro, é a Via Láctea. Seu bulbo central luminoso, marcado por cordilheiras de poeira interestelar se estende por milhares de anos-luz. 

Nesta longa noite no hemisferio sul, ela preenceheu o escuro céu chileno sobre o Observatorio Paranal. Entretanto, a imagem, de uma só exposição, não exigiu o uso de um telescopio de grandes dimensões. 

Experimentos com uma camera digital em um tripé e uma bola de cristal presa a um corrimão no exterior da Residencia Paranal produziram o evocativo retrato da bola de gude cosmica de nossa galaxia.

Tradução de Luiz M. Leitão da Cunha

A small crystal ball seems to hold a whole galaxy in this creative snapshot. Of course, the galaxy is our own Milky Way. Its luminous central bulge marked by rifts of interstellar dust spans thousands of light-years. 

On this long southern hemisphere night it filled dark Chilean skies over Paranal Observatory. The single exposure image did not require a Very Large Telescope, though. 

Experiments with a digital camera on a tripod and crystal ball perched on a handrail outside the Paranal Residencia produced the evocative, cosmic marble portrait of our home galaxy.

quinta-feira, 21 de junho de 2018

Moon Setting Behind Teide Volcano | A Lua se pondo atrás do Vulcão Teide




Essas pessoas não estão em perigo. O que está vindo da esquerda é apenas a Lua, ao longe. Luna aparece tão grande aqui porque ela está sendo fotografada através de lentes telescopicas. O que está em movimento é mais a Terra, cuja rotação faz com que a Lua vá lentamente desaparecendo atrás do Monte  Teide, um vulcão nas Ilhas Canarias, ao largo da costa noroeste da Africa. 

As pessoas na foto estão distantes 16 quilometros, e muitas delas estão de frente para a camera porque estão observando o Sol elevar-se atrás do fotografo. Não é uma coincidencia o fato de a Lua nascer bem quando o Sol se põe porque ele está sempre no lado oposto do céu na Lua Cheia. Este video foi feito na semana passada durante a Lua Cheia de Leite. O video nao é de lapso temporal — esta é a real velocidade com que a Lua estava se pondo.

Tradução de Luiz M. Leitão da Cunha

These people are not in danger. What is coming down from the left is just the Moon, far in the distance. Luna appears so large here because she is being photographed through a telescopic lens. What is moving is mostly the Earth, whose spin causes the Moon to slowly disappear behind Mount Teide, a volcano in the Canary Islands off the northwest coast of Africa. 

The people pictured are 16 kilometers away and many are facing the camera because they are watching the Sun rise behind the photographer. It is not a coincidence that a full moon rises just when the Sun sets because the Sun is always on the opposite side of the sky from a full moon. The featured video was made last week during the full Milk Moon. The video is not time-lapse -- this was really how fast the Moon was setting.

quarta-feira, 20 de junho de 2018

Pillars of the Eagle Nebula in Infrared | Pilares da Águia em infravermelho


Estrelas recém-nascidas estão em formação na Nebulosa da Aguia. Contraindo-se por gravidade em pilares de gás e poeira densos, a intensa radiação dessas brilhantes estrelas recém-formadas está fazendo com que a materia ao redor se dissipe

Esta imagem, obtida com o Hubble em luz de frequencia de  onda proxima ao infravermelho, permite ao observador ver através de boa parte da espessa poeira que torna os pilares opacos sob luz visivel. As gigantescas estruturas têm anos-luz de comprimento, sendo informalmente chamadas os Pilares da Criação. 

Associada ao aglomerado estelar aberto M16, a Nebulosa da Águia situa-se a cerca de 6.500 anos-luz de distancia. A Nebulosa da Águia é facilmente observavel atraves de pequenos telescopios em uma parte do ceu rica em nebulosas, na direção da constelação da Cauda da Serpente (Serpens Cauda).

Tradução de Luiz M. Leitão da Cunha

Newborn stars are forming in the Eagle Nebula. Gravitationally contracting in pillars of dense gas and dust, the intense radiation of these newly-formed bright stars is causing surrounding material to boil away. 

This image, taken with the Hubble Space Telescope in near infrared light, allows the viewer to see through much of the thick dust that makes the pillars opaque in visible light. The giant structures are light years in length and dubbed informally the Pillars of Creation. 

Associated with the open star cluster M16, the Eagle Nebula lies about 6,500 light years away. The Eagle Nebula is an easy target for small telescopes in a nebula-rich part of the sky toward the split constellation Serpens Cauda (the tail of the snake).

terça-feira, 19 de junho de 2018

Ancients of Sea and Sky | Antiguidades do mar e do ceu


Isso que você vê pode parecer rochas arredondadas, mas estão vivos. Além do mais, são versões modernas das mais antigas formas de vida conhecidas: estromatolitos. Fosseis indicam que os estromatolitos apareceram na Terra há cerca de 3,7 bilhões anos — antes mesmo da formação da muitas das mais  familiares estrelas do ceu moderno. 

Nesta imagem, registrada em Western Australia, somente o antigo arco central da Via Lactea se formou antes. Nem mesmo as Nuvens de Magalhães, galaxias satelites da Via Lactea e visiveis nesta imagem abiaxo do arco da Via Lactea,  existiam em suas formas atuais quando os estromatolitos cresceram na Terra pela primeira vez. 

Os estromatolitos são biofilmes de acreação de bilhões de micro-organismos que podem lentamente se mover em direção à luz. Usando essa luz para liberar oxigenio no ar, os antigos estromatolitos ajudaram a tornar a Terra habitável para outras formas de vida inclusive, finalmente, humanos.

Tradução de Luiz M. Leitão da Cunha

They may look like round rocks, but they're alive. Moreover, they are modern versions of one of the oldest known forms of life: stromatolites. Fossils indicate that stromatolites appeared on Earth about 3.7 billion years ago -- even before many of the familiar stars in the modern night sky were formed.

 In the featured image taken in Western Australia, only the ancient central arch of our Milky Way Galaxy formed earlier. Even the Magellanic Clouds, satellite galaxies of our Milky Way and visible in the featured image below the Milky Way's arch, didn't exist in their current form when stromatolites first grew on Earth. 

Stromatolites are accreting biofilms of billions of microorganisms that can slowly move toward light. Using this light to liberate oxygen into the air, ancient stromatolites helped make Earth hospitable to other life forms including, eventually, humans.

segunda-feira, 18 de junho de 2018

An Active Prominence on the Sun | Uma proeminencia ativa no Sol



Às vezes, a superficie do Sol se torna um redemoinho de atividades. Este é um video de lapso temporal da superficie solar registrado por um periodo de duas horas no começo de maio, rodado para a frente e para trás. 

A superficie do Sol foi bloqueada de forma que detalhes acima da borda pudessem ser fotografados com mais detalhes. Plasma quente é visivel rodopiando sobre a borda solar em uma batalha em andamento entre campos magneticos cambiantes e a gravidade constante. 

Esta proeminencia ergue-se a uma altura equivalente a uma vez o diamentro da Terra sobre a superficie solar. Eventos energeticos como este estão se tornando menos comuns à medida que o Sol  se aproxima de seu minimo, em seu ciclo de atividades de 11 anos.

Tradução de Luiz M. Leitão da Cunha

Sometimes the Sun's surface becomes a whirlwind of activity. Pictured is a time-lapse video of the Sun's surface taken over a two hour period in early May, run both forwards and backwards. 

The Sun's surface was blocked out so that details over the edge could be imaged in greater detail. Hot plasma is seen swirling over the solar limb in an ongoing battle between changing magnetic fields and constant gravity. 

The featured prominence rises about one Earth-diameter over the Sun's surface. Energetic events like this are becoming less common as the Sun nears a minimum in its 11-year activity cycle.

Dusty With a Chance of Dust | Previsão do tempo em Marte


É estação de tempestades de areia em Marte. Poeirento com probabilidade de tempestade de areia é a previsão do tempo para a cratera Gale enquanto uma recente tempestade de areia em escala planetaria irrompe. 

Em 10 de junho, olhando em direção à borda leste nordeste da cratera, a Mastcam da sonda Curiosity captou esta imagem de sua condições locais até então. Entrementes, distante mais de 2.000 quilometros, a sonda Opportunity cessou as operações cientificas quando a tempestade se agravou em sua localidade, na borda oeste da cratera Endeavour, e interrompeu suas comunicações, esperando a tempestade por ora. 

A Curiosity é alimentada por um gerador de radioisotopos termoeletrico, mas a sonda Opportunity, que é menor, usa paineis solares para carregar suas baterias. Para a Opportunity,  a crescente e severa falta de luz solar fez com que suas baterias se esgotassem.

Tradução de Luiz M. Leitão da Cunha

It's storm season on Mars. Dusty with a chance of dust is the weather report for Gale crater as a recent planet-scale dust storm rages. 

On June 10 looking toward the east-northeast crater rim, the Curiosity rover's Mastcam captured this image of its local conditions so far. Meanwhile over 2,000 kilometers away, the Opportunity rover ceased science operations as the storm grew thicker at its location on the west rim of Endeavour crater, and has stopped communicating, waiting out the storm for now. 

Curiosity is powered by a radioisotope thermoelectric generator, but the smaller Opportunity rover uses solar panels to charge its batteries. For Opportunity, the increasingly severe lack of sunlight has caused its batteries to run low.