Pesquisar conteúdo deste blog

quinta-feira, 27 de julho de 2017

IC 1396: Emission Nebula in Cepheus | IC 1396: Nebulosa de emissões em Cefeu


A impressionante nebulosa de emissões IC 1396 mistura o gás cosmico incandescente com nuvens de poeira escura na distante constelação de Cefeu. Energizada pela brilhante estrela central visível aqui, esta região de formação estelar se espraia por centenas de anos-luz, englobando mais de três graus de arco no céu, embora distante cerca de 3.000 do planeta Terra. 

Entre as intrigantes formas escuras existentes em IC 1396, a nebulosa da Tromba de Elefante situa-se logo abaixo do centro. Estrelas ainda poderiam estar em formação no interior das formas escuras por efeito do colapso gravitacional. 

Mas à medida que as nuvens mais densas são erodidas por poderosos ventos e radiação estelares, toda estrela em formação acabará sendo cutoff from do reservatório de matéria estelar. A deslumbrante visão colorida é uma composição de dados de imagens de filtros de banda estreita, mapeando emissões de oxigênio, hidrogênio e enxofre atômicos da nebulosa, em tons azuis, verdes e vermelhos.

Tradução de Luiz M. Leitão da Cunha

Stunning emission nebula IC 1396 mixes glowing cosmic gas and dark dust clouds in the high and far off constellation of Cepheus. Energized by the bright central star seen here, this star forming region sprawls across hundreds of light-years, spanning over three degrees on the sky while nearly 3,000 light-years from planet Earth. 

Among the intriguing dark shapes within IC 1396, the winding Elephant's Trunk nebula lies just below center. Stars could still be forming inside the dark shapes by gravitational collapse. 

But as the denser clouds are eroded away by powerful stellar winds and radiation, any forming stars will ultimately be cutoff from the reservoir of star stuff. The gorgeous color view is a composition of image data from narrowband filters, mapping emission from the nebula's atomic oxygen, hydrogen, and sulfur into blue, green, and red hues.

quarta-feira, 26 de julho de 2017

Mercury as Revealed by MESSENGER | Mercúrio revelado pela MESSENGER


Mercúrio nunca havia sido visto desta forma antes. Em 2008, a espaçonave robótica MESSENGER passou por Mercúrio pela segunda vez, e fotografou terrenos anteriormente só mapeados através de imagens de radar comparativamente  cruas.

Esta imagem foi registrada quando a MESSENGER olhou para trás, 90 minutos após ter passado, de uma altitude ao redor de 27.000 quilômetros. Visíveis na imagem, entre várias outras características recém-fotografadas,  vêem-se raios extraordinariamente longos que parecem se estender como meridianos de longitude saindo de uma jovem cratera próxima à borda norte. 

A MESSENGER entros em  órbita ao redor de Mercúrio em 2011, tendo terminado sua missão principal em 2012, mas ainda  obteve medições detalhadas até 2015,  quando seu combustível se esgotou e ela recebeu instruções para colidir contra a superfície do planeta.

Tradução de Luiz M. Leitão da Cunha

Mercury had never been seen like this before. In 2008, the robotic MESSENGER spacecraft buzzed past Mercury for the second time and imaged terrain mapped previously only by comparatively crude radar. 

The featured image was recorded as MESSENGER looked back 90 minutes after passing, from an altitude of about 27,000 kilometers. Visible in the image, among many other newly imaged features, are unusually long rays that appear to run like meridians of longitude out from a young crater near the northern limb. 

MESSENGER entered orbit around Mercury in 2011 and finished its primary mission in 2012, but took detailed measurements until 2015, at which time it ran out of fuel and so was instructed to impact Mercury's surface.

terça-feira, 25 de julho de 2017

Lightning Eclipse from the Planet of the Goats | Eclipse do Planeta dos Bodes


Tempestades de trovão quase estragaram essa visão da espetacular eclipse total  total lunar de 15 de junho de 2011. Entretanto, as nuvens de tempestade se dividiram por 10 minutos durante a fase de eclipse total, e os relâmpagos contribuíram para aquele céu impressionante. 

Captada em uma exposição de 30 segundos, a cena também inspirou um dos mais memoráveis títulos (graças ao astrofotógrafo). Certamente, a referência ao relâmpago claramente faz sentido, e a cena sombra da escura eclipse lunas foi amplamente vista em vários locais da Terra, como Europa, África, Ásia e Austrália. 

A foto em si, no entanto, foi tirada na ilha grega de Ikaria, em Pezi. Aquela área é chamada "o planeta dos bodes" devido ao terreno acidentado e às rochas de aparência estranha.

Tradução de Luiz M. Leitão da Cunha

Thunderstorms almost spoiled this view of the spectacular 2011 June 15 total lunar eclipse. Instead, storm clouds parted for 10 minutes during the total eclipse phase and lightning bolts contributed to the dramatic sky. 

Captured with a 30-second exposure the scene also inspired one of the more memorable titles (thanks to the astrophotographer). Of course, the lightning reference clearly makes sense, and the shadow play of the dark lunar eclipse was widely viewed across planet Earth in Europe, Africa, Asia, and Australia. 

The picture itself, however, was shot from the Greek island of Ikaria at Pezi. That area is known as "the planet of the goats" because of the rough terrain and strange looking rocks.

segunda-feira, 24 de julho de 2017

Apollo 11: Catching Some Sun | Apollo 11: Pegando um solzinho


A  luz solar brilha e longas sombras escuras marcam esta imagem da superfície lunar. A foto foi tirada em 20 de julho de 1969 pelo astronauta Neil Armstrong,  da Apollo 11, o primeiro a caminhar na Lua

A imagem mostra o módulo lunar da missão, denominado Águia, e seu piloto Edwin "Buzz" Aldrin vestindo traje espacial e abrindo uma lâmina de folha, tambem chamada Experimento de Composição do Vento Solar. 

Exposta voltada para o Sol, a folha coletou partículas que saíam do vento solar para o exterior, capturando uma amostra de material do próprio Sol. Juntamente com rochas e amostras do solo lunar, o coletor de vento solar foi trazido de volta à Terra para análises  em laboratórios situados em solo.

Tradução de Luiz M. Leitão da Cunha


Bright sunlight glints and long dark shadows mark this image of the lunar surface. It was taken July 20, 1969 by Apollo 11 astronaut Neil Armstrong, the first to walk on the Moon. 

Pictured is the mission's lunar module, the Eagle, and spacesuited lunar module pilot Buzz Aldrin unfurling a long sheet of foil also known as the Solar Wind Composition Experiment. 

Exposed facing the Sun, the foil trapped particles streaming outward in the solar wind, catching a sample of material from the Sun itself. Along with moon rocks and lunar soil samples, the solar wind collector was returned for analysis in earthbound laboratories.

domingo, 23 de julho de 2017

Thunder Moon over Pisa | Lua de Trovão sobre Pisa


O que há de errado com esta foto? Se você descobrir, talvez então se dê conta de onde ela foi tirada. O detalhe estranho está, na verdade, em um dos edifícios — está inclinado. A Torre Inclinada de Pisa é um ícone lendário desde pouco depois do início de sua construção, em 1173. 

Agora parte do Patrimônio Histórico Mundial da UNESCO, diz o folclore que Galileu usou a torre inclinada para demonstyrar de forma emocionante o princípio gravitacional segundo o qual objetos de diferentes massas caem com a mesma velocidade. 

Entre a Torre Enclinada de Pisa, à direita, a Catedral de Pisa e o Batistério de Pisa, à esquerda, uma Lua Cheia de Trovão era visível na semana passada, quando a imagem foi registrada. Através de modernas técnicas de análise, a torre foi estabilizada e, fora imprevistos, deverá  manter sua atual inclinação pelos próximos 200 anos.

Tradução de Luiz M. Leitão da Cunha

What's wrong with this picture? If you figure it out, you may then realize where the image was taken. The oddity lies actually in one of the buildings -- it leans. The Leaning Tower of Pisa has been an iconic legend since shortly after its construction began in the year 1173. Now part of a UNESCO World Heritage Site, folklore holds that Galileo used the leaning tower to dramatically demonstrate the gravitational principle that objects of different mass fall the same. 

Between the Leaning Tower of Pisa on the right and Pisa Cathedral and the Pisa Baptistery on the left, a full "Thunder" moon was visible last week when the image was taken. Using modern analyses, the tower has been successfully stabilized and, barring the unexpected, should hold its present tilt for the next 200 years.