Pesquisar conteúdo deste blog

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Solstice Conjunction over Budapest | Conjunção de solstício sobre Budapeste


Antes de surgur o Sol do solstício de 21 de junho, o brilhante Vênus e uma velha Lua crescente posaram juntos sobre Budapeste, Hungria, nesta paisagem celeste de pré-alvorecer. 

No primeiro plano a vista se projeta cruzando o Rio Danúbio de Buda para Pest, na direção do domo e picos do prédio do Parlamento Húngaro. Nuvens baixas estão em silhueta contra o céu crepuscular. Mas bem acima do horizonte leste para captar a luz solar brilhava outra aparição sazonal naquela manhã de solstício, nuvens notilucentes. 

Visíveis próximo ao nascer-do-sol e pôr-do-sol nos meses de verão a altas latitudes, as nuvens que brilham à noite são formadas quando o vapor de água na atmosfera superior se condensa em poeira meteórica ou cinzas vulcânicas próximo à borda do espaço.

Tradução de Luiz M. Leitão da Cunha

Before a solstice Sun rose on June 21, brilliant Venus and an old crescent Moon posed together over Budapest, Hungary for this predawn skyscape. 

In the foreground the view looks across the Danube river from Buda to Pest toward the dome and peaks of the Hungarian Parliament building. Low clouds are in silhouette against a twilight sky. But far enough above the eastern horizon to catch the sunlight shines another seasonal apparition on that solstice morning, noctilucent clouds. 

Seen near sunrise and sunset in summer months at high latitudes, the night-shining clouds are formed as water vapor in the cold upper atmosphere condenses on meteoric dust or volcanic ash near the edge of space.

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Northern Summer on Titan | Verão no norte de Titã


Enquanto o solstício de ontem trouxe o verão ao hemisfério norte do planeta terra, um solstício de verão no norte chegou para o planeta anelado Saturno aproximadamente um mês atrás, em 24 de maio. 

Seguindo  as estações Saturninas, sua grande lua Titã foi registrada nesta imagem da espaçonave Cassini de 9 de junho. A vista próxima ao infravermelho descobre brilhantes nuvens de metano vagando pelo céu  de verão do norte de Titã, de uma distância de, aproximadamente 507.000 quilômetros. Sob as nuvens de  Titã, escuros lagos de hidrocarbonetos se espalham próximos ao agora iliminado polo norte da grande lua.

Tradução de Luiz M. Leitão da Cunha

While yesterday's solstice brought summer to planet Earth's northern hemisphere, a northern summer solstice arrived for ringed planet Saturn nearly a month ago on May 24. 

Following the Saturnian seasons, its large moon Titan was captured in this Cassini spacecraft image from June 9. The near-infrared view finds bright methane clouds drifting through Titan's northern summer skies as seen from a distance of about 507,000 kilometers. Below Titan's clouds, dark hydrocarbon lakes sprawl near the large moon's now illuminated north pole.

A Sundial that Shows Solstice | Um relógio de Sol que mostra o solstício


Que dia é hoje (quarta-feira, 21 de junho de 2017)? Se o dia — e a hora — forem os certos, este relógio de Sol irá lhe dizer: SOLSTÍCIO. Somente então o Sol estará posicionado logo à direita para que a luz solar flua através das aberturas e soletre o termo que designa os dias mais longos e os mais curtos do ano. 

Mas isso irá acontecer hoje (e novamente em Dezembro). O relógio de Sol foi construído por Jean Salins em 1980, e está localizado na Ecole Supérieure des Mines de Paris, em Valbonne Sophia Antipolis do sudeste da França. Em dois outros dias do ano, os observadores deste relógio de Sol poderão vê-lo formar outra palavra: EQUINÓCIO.

Tradução de Luiz M. Leitão da Cunha

What day is it (Wednesday, June 21, 2017)? If the day — and time — are right, this sundial will tell you: SOLSTICE. Only then will our Sun be located just right for sunlight to stream through openings and spell out the term for the longest and shortest days of the year. 

But this will happen today (and again in December). The sundial was constructed by Jean Salins in 1980 and is situated at the Ecole Supérieure des Mines de Paris in Valbonne Sophia Antipolis of south-eastern France. On two other days of the year, watchers of this sundial might get to see it produce another word: EQUINOXE.

The Massive Stars in Westerlund 1 | As estrelas massivas em Westerlund 1


O aglomerado estelar Westerlund 1 abriga algumas das maiores e mais massivas estrelas conhecidas. Seu astro principal é a estrela Westerlund 1-26, uma supergigante vermelha que, se for colocada no centro do nosso Sistema Solar, se estenderia além da órbita de Júpiter. Além disso, o jovem aglomerado contém outras 3 três supergigantes vermelhas, 6 estrelas hipergigantes amarelas, 24 estrelas Wolf-Rayet, e inúmeras outras estrelas ainda mais incomuns, que continuam sendo estudadas. 

Westerlund 1 é relativamente próxima tratando-se de um aglomerado estelar, à distância de de 15.000 anos-luz, proporcionando aos astrônomos um bom laboratório para o estudo de estrelas de grande massa. Esta imagem de Westerlund 1 foi obtida através do Hubble, em direção à constelação do Altar (Ara). 

Embora seja atualmente classificado como um "super" aglomerado aberto, Westerlund 1 pode evoluir para uma aglomerado globular de baixa massa nos próximos bilhões de anos.

Tradução de Luiz M. Leitão da Cunha

Star cluster Westerlund 1 is home to some of the largest and most massive stars known. It is headlined by the star Westerlund 1-26, a red supergiant star so big that if placed in the center of our Solar System, it would extend out past the orbit of Jupiter. Additionally, the young star cluster is home to 3 other red supergiants, 6 yellow hypergiant stars, 24 Wolf-Rayet stars, and several even-more unusual stars that continue to be studied. 

Westerlund 1 is relatively close-by for a star cluster at a distance of 15,000 light years, giving astronomers a good laboratory to study the development of massive stars. The featured image of Westerlund 1 was taken by the Hubble Space Telescope toward the southern constellation of the Altar (Ara). 

Although presently classified as a "super" open cluster, Westerlund 1 may evolve into a low mass globular cluster over the next billion years.

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Jupiter’s Clouds of Many Colors | As nuvens multicoloridas de Júpiter


A espaçonave  Juno da NASA estava se afastando rapidamente de Júpiter após sua sétima passagem próxima do planeta quando a JunoCam tirou esta foto, em 9 de maio de 2017, a uma altitude de cerca de 47.000 quilômetros acima do topo das nuvens. A espaçonave estava a mais de 65,9 graus de latitude sul, com uma adorável vista da região polar sul do planeta.

Esta imagem foi processada para aumentar as diferenças de cores, mostrando a surpreendente variedade na atmosfera tempestuosa de Júpiter. O resultado é um surreal mundo de cores vibrantes, claridade e contraste. 

Quatro das tempestades ovais brancas chamadas o “Colar de Pérolas” são visiveis próximas ao topo da imagem. Interesssante, uma tempestade de cor alaranjada pode ser vista na fronteira da zona de faixas, enquanto outras tempestades têm uma cor mais de creme.

Tradução de Luiz M. Leitão da Cunha

NASA’s Juno spacecraft was racing away from Jupiter following its seventh close pass of the planet when JunoCam snapped this image on May 19, 2017, from about 29,100 miles (46,900 kilometers) above the cloud tops. The spacecraft was over 65.9 degrees south latitude, with a lovely view of the south polar region of the planet.

This image was processed to enhance color differences, showing the amazing variety in Jupiter’s stormy atmosphere. The result is a surreal world of vibrant color, clarity and contrast. 

Four of the white oval storms known as the “String of Pearls” are visible near the top of the image. Interestingly, one orange-colored storm can be seen at the belt-zone boundary, while other storms are more of a cream color.

terça-feira, 20 de junho de 2017

M89: Elliptical Galaxy with Outer Shells and Plumes | M89: Galáxia Elíptica com envoltórios e nuvens externos


Você consegue vê-las? Este famoso objeto  M89 de Messier, uma aparentemente simples galáxia elíptica, é cercada de esmaecidos  envoltórios e nuvens. A causa dos envoltórios atualmente é desconhecida, porém, possivelmente, seriam caudas de marés gravitacioanis relacionadas a detritos restantes da absorção de numerosas pequenas galáxias nos últimos bilhões de anos. 

Alternativamente, os envoltórios podem ser como ondulações em um lago, onde uma recente colisão com outra grande galáxia criou ondas de densidade que ondulam através deste gigante galáctico. 

Não obstante qual seja a real causa, esta imagem destaca o crescente consenso de que ao menos algumas galáxias elípticas se formaram no passado recente, e que os halos externos da maioria das grandes galáxias não são realmente uniformes, mas têm complexidades induzidas por frequentes interações com — e acreções de — galáxias próximas menores. 

O halo da Via Láctea é um exemplo dessa tal inesperada complexidade. M89 é integrante do próximo aglomerado galáctico de Virgem, situado à distãncia de uns 50 milhões de anos-luz.

Tradução de Luiz Leitão da Cunha

Can you see them? This famous Messier object M89, a seemingly simple elliptical galaxy, is surrounded by faint shells and plumes. The cause of the shells is currently unknown, but possibly tidal tails related to debris left over from absorbing numerous small galaxies in the past billion years. 

Alternatively the shells may be like ripples in a pond, where a recent collision with another large galaxy created density waves that ripple through this galactic giant. 

Regardless of the actual cause, the featured image highlights the increasing consensus that at least some elliptical galaxies have formed in the recent past, and that the outer halos of most large galaxies are not really smooth but have complexities induced by frequent interactions with — and accretions of — smaller nearby galaxies. 

The halo of our own Milky Way Galaxy is one example of such unexpected complexity. M89 is a member of the nearby Virgo cluster of galaxies which lies about 50 million light years distant.

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Eclipse Across America: Path Prediction Video | Eclipse através da America do Norte: Vídeo da trajetória prevista



Onde você estará durante a Eclipse através da America do Norte? Em 21 de agosto, a sombra da Lua irá cruzar a região continental dos EUA pela primeira vez, desde 1979. A trajetória prevista — uma certeza proporcionada  pelos conhecimentos astronômicos modernos — é mostrada neste vídeo da NASA. 

A maioria das pessoas nos EUA estará a um dia de viagem de carro da trajetória da eclipse solar total, enquanto o restante da Amárica do Norte verá uma eclipse solar parcial. Na trajetória da totalidade, havendo céu suficientemente límpido, a Lua irá  bloquear o Sol, tornando-o assustadoramente escuro até 2 minutos e 40 segundos. 

Se você estiver interessado em comparecer a uma festa da eclipse, entre em contato com sua sociedade astronômica amadora local, centro científico, parque ou universidade para ver alguma festa assim já está sendo planejada. Alguns "caçadores" de eclipses viajaram até o fim do mundo para ver uma eclipse total solar, e pelo caminho registraram várias histórias de divertidas  aventuras.

Tradução de Luiz M. Leitão da Cunha

Where will you be during the Eclipse across America? On August 21, the shadow of the Moon will cross the continental USA for the first time since 1979. The predicted path -- a certainty given modern astronomical knowledge -- is shown in the featured NASA video. 

Most people in the USA will be within a day's drive to the path of the total solar eclipse, while the rest of North America will see a partial solar eclipse. In the path of totality, given clear-enough skies, the Moon will block out the Sun making it eerily dark for as long as 2 minutes and 40 seconds. 

If interested in attending an eclipse party, please contact your local amateur astronomical society, science center, park, or university to see if one is already being planning. Some eclipse chasers have traveled to the end of the world to see a total eclipse of the Sun, and along the way have recorded many entertaining adventure stories.