Pesquisar conteúdo deste blog

Carregando...

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Pluto's Sputnik Planum | Sputnik Planum em Plutão


Haverá um oceano sob Sputnik Planum em Plutão?  A incomumente lisa extensão dourada de 1000 km de diâmetro, visível nesta imagem da New Horizons, aparece segmentada em células de convecção. Mas como essa região foi criada? 

Uma hipótese agora indica que a resposta seria que teria haviado um grande impacto que teria trazido à tona um oceano subterrâneo de água salina com cerca de  100 quilômetros de profundidade. Esta imagem de Sputnik Planum, parte de Tombaugh Regio, maior e em formato de coração, foi obtida em julho passado e mostra detalhes reais em cores realçadas. 

Embora a espaçonave robótica New Horizons esteja longe, em uma nova aventura, a modelagem por computador continuada deste surpreendente detalhe da superfície em Plutão provavelmente levará a especulações mais refinadas a respeito de o que há ali por baixo.

Tradução de Luiz Leitão da Cunha

Is there an ocean below Sputnik Planum on Pluto? The unusually smooth 1000-km wide golden expanse, visible in the featured image from New Horizons, appears segmented into convection cells. But how was this region created?

One hypothesis now holds the answer to be a great impact that stirred up an underground ocean of salt water roughly 100-kilometers thick. The featured image of Sputnik Planum, part of the larger heart-shaped Tombaugh Regio, was taken last July and shows true details in exaggerated colors. 

Although the robotic New Horizons spacecraft is off on a new adventure, continued computer-modeling of this surprising surface feature on Pluto is likely to lead to more refined speculations about what lies beneath.

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Galaxies in Pegasus | Galáxias em Pégaso


Esta ampla e nítida vista telescópica revela galáxias espalhadas para além das estrelas da Via Láctea, na fronteira norte da constelação de Pégaso. Proeminente à direita superior, encontra-se NGC 7331. 

Distante meros 50 milhões de quilômetros, a grande espiral é uma das galáxias mais brilhantes não inclusas no famoso catálogo do século 18 de Charles Messier. O grupo de galáxias de aparência bagunçada no canto inferior esquerdo é o conhecido Quinteto de Stephan. 

Distante cerca de 300 milhões de anos-luz, o quinteto ilustra de maneira emocionante uma múltipla colisão galáctica, com suas potentes interações em curso posando para uma breve foto cósmica. No céu, o quinteto e NGC 7331 estão separados por cerca de meio grau.

Tradução de Luiz Leitão da Cunha

This wide, sharp telescopic view reveals galaxies scattered beyond the stars of the Milky Way at the northern boundary of the high-flying constellation Pegasus. Prominent at the upper right is NGC 7331. A mere 50 million light-years away, the large spiral is one of the brighter galaxies not included in Charles Messier's famous 18th century catalog. The disturbed looking group of galaxies at the lower left is well-known as Stephan's Quintet. About 300 million light-years distant, the quintet dramatically illustrates a multiple galaxy collision, its powerful, ongoing interactions posed for a brief cosmic snapshot. On the sky, the quintet and NGC 7331 are separated by about half a degree.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Flaming Star Nebula | A Nebulosa da Estrela Flamejante


Uma estrela em fuga ilumina a Nebulosa da Estrela Flamejante nesta cena cósmica. Também denominada IC 405,  as crescentes nuvens de gás e poeira interestelar da Nebulosa da Estrela Flamejante situam-se a cerca de 1.500 anos-luz, na direção da constelação de Auriga, o Cocheiro. 

AE Aurigae, a estrela brilhante no alto, à esquerda da foto, é uma grande e intensamente quente estrela Tipo O movendo-se rapidamente através do espaço, provavelmente ejetada de uma colisão de sistemas estelares múltiplos nas vizinhanças da Nebulosa de Orion, milhões de anos atrás. 

Agora perto de IC 405, a radiação ionizante ultravioleta da veloz estrela energiza o brilho avermelhado quando os átomos de hidrogênio da nebulosa são privados de seus elétrons e se recombinam. 

Sua intensa luz estelar azul é refletida pelos filamentos de poeira da nebulosa. Assim como toda estrela de grande massa, AE Aurigae terá vida curta, furiousamente quimando seu estoque de combustível para fusão nuclear e explodindo em uma supernova. 

A colorida foto telescópica espalha-se por cerca de cinco anos-luz à distância estimada da Nebulosa da Estrela Flamejante.

Tradução de Luiz Leitão da Cunha

A runaway star lights the Flaming Star Nebula in this cosmic scene. Otherwise known as IC 405, the Flaming Star Nebula's billowing interstellar clouds of gas and dust lie about 1,500 light-years away toward the constellation of Auriga. 

AE Aurigae, the bright star at upper left in the frame, is a massive and intensely hot O-type star moving rapidly through space, likely ejected from a collision of multiple star-systems in the vicinity of the Orion Nebula millions of years ago. 

Now close to IC 405, the high-speed star's ionizing ultraviolet radiation powers the visible reddish glow as the nebula's hydrogen atoms are stripped of their electrons and recombine. 

Its intense blue starlight is reflected by the nebula's dusty filaments. Like all massive stars AE Aurigae will be short-lived though, furiously burning through its supply of fuel for nuclear fusion and exploding as a supernova. 

The colorful telescopic snapshot spans about 5 light-years at the estimated distance of the Flaming Star Nebula.

domingo, 4 de dezembro de 2016

A Triple Star is Born | Nasce uma estrela tripla


Um sistema estelar triplo está se formando, envolto neste poeirento disco natal, à distância de uns 750 anos-luz, na nuvem molecular de Perseu. 

Fotografada em comprimentos de onda milimétricos pelo Grande Conjunto Atacama Milímetro/submilímetro (ALMA) no Chile, o extremo close-up mostra duas protoestrelas separadas por apenas 61 UA (1 UA, Unidade Astronômica, equivale à distância entre a Terra e o Sol) com uma terceira a cerca de 183 UA de distância da protoestrela central. 

A imagem do ALMA yambém revela uma clara estrutura espiral, indicando que instabilidade e fragmentação levaram aos  múltiplos objetos protoestelares no disco. 

Astrônomos estimam que o sistema, catalogado como L1448 IRS3B, tenha menos de 150.000 anos de idade. Captado em uma fase inicial, o cenário de formação estelar não é, provavelmente, nem um pouco incomum, uma vez que quase a metade das estrelas semelhantes ao Sol têm ao menos uma companheira.

Tradução de Luiz Leitão da Cunha

A triple star system is forming, enshrouded within this dusty natal disk some 750 light-years away in the Perseus molecular cloud. 

Imaged at millimeter wavelengths by the Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA) in Chile, the extreme close-up shows two protostars separated by a mere 61 AU (1 AU is the Earth-Sun distance) with a a third some 183 AU from the central protostar. 

The ALMA image also reveals a clear spiral structure indicating instability and fragmentation led to the multiple protostellar objects within the disk. 

Astronomers estimate that the system, cataloged as L1448 IRS3B, is less than 150,000 years old. Captured at an early phase, the starforming scenario is likely not at all uncommon, since almost half of all sun-like stars have at least one companion.

sábado, 3 de dezembro de 2016

The Heart and Soul Nebulas | As Nebulosas do Coração e da Alma


Estarão o coração e a alma de nossa galáxia localizados em Cassiopeia? Possivelmente não, mas é lá que duas brilhantes nebulosas de emissões apelidadas do Coração e da Alma se encontram. 

A Nebulosa do Coração, officialmente denominada IC 1805 e visível nesta imagem, à direita, tem uma forma que lembra o clássico símbolo do coração. Ambas as nebulosas brilham fortemente com a luz vermelha de hidrogênio energizado. 

Inúmeros jovens aglomerados estelares abertos povoam a imagem, e são visíveis aqui em azul, inclusive os centros das nebulosas. A luz vinda dessas nebulosas leva cerca de 6.000 anos-luz para chegar até nós, as quais, juntas, espalham-se por cerca de 300 anos-luz. 

Estudos de estrelas e aglomerados como aqueles encontrados nas Nebulosas do Coração e da Alma se concentraram em como estrelas de grande massas se formam e como elas afetam seu meio ambiente.

Tradução de Luiz Leitão da Cunha

Is the heart and soul of our Galaxy located in Cassiopeia? Possibly not, but that is where two bright emission nebulas nicknamed Heart and Soul can be found. 

The Heart Nebula, officially dubbed IC 1805 and visible in the featured image on the right, has a shape reminiscent of a classical heart symbol. Both nebulas shine brightly in the red light of energized hydrogen. 

Several young open clusters of stars populate the image and are visible here in blue, including the nebula centers. Light takes about 6,000 years to reach us from these nebulas, which together span roughly 300 light years. 

Studies of stars and clusters like those found in the Heart and Soul Nebulas have focused on how massive stars form and how they affect their environment.